quarta-feira, 29 de outubro de 2008

MÚSICO "VEGETARIANO" FURTADO EM CHURRASCARIA

O fato ocorrido na tarde do último sábado (25/10) foi no mínimo curioso. O músico HB (25), "vegetariano" (na verdade não come carne vermelha!), foi furtado em uma churrascaria. Ambiente não muito freqüentado por HB, depois de muita insistência dos familiares que estavam de visita em sua casa passando o final de semana, cedeu ao martírio de sentir mais uma vez os odores do churrasco de carne vermelha, o que o faz lembrar de alguns lugares que costumeiramente se apresenta e que não agradam seu olfato. Também tendo ciência de que hoje em dia em grandes churrascarias pode-se apreciar um grande buffet de saladas.
O episódio se passou em São Paulo, na Av. Rebouças, em um lugar considerado uma das melhores churrascarias de São Paulo.
Quando HB assentou-se à mesa, procurou algum lugar onde poderia colocar sua mochila com seus pertencentes. Olhou o outro lado da mesa para saber onde as mulheres tinham colocado suas bolsas mas não encontrou nada em especial. Procurou por ganchos embaixo da mesa, mas também não havia este tipo de suporte. Sendo assim, dependurou sua mini-mochila no encosto da cadeira e junto de seu irmão, foi se servir no buffet de saladas. Enquanto isso mais 5 pessoas ficaram à mesa.
Quando voltou à mesa, de imediato percebeu a ausência de sua mochila e comunicou às pessoas que ali se encontravam, indagando se tinham guardado em algum lugar, ou se os garçons tinham levado pra um lugar específico, algo que seria bastante estranho também, sem a permissão do proprietário do material.
Como ninguém deu conta do paradeiro da dita cuja, pediram para que chamassem o gerente, deduzindo um certo furto, mesmo sem terem a afirmação e pasmados pelo que poderia ter acontecido, tendo em vista um lugar tão refinado.
Enquanto o tio e a tia de HB foram conferir as imagens da câmera de segurança do local, as outras pessoas ficaram à mesa, almoçando, mesmo tensos com a situação. Neste meio tempo, a mãe de HB liga em seu celular e com a voz um tanto apavorada pergunta o que ele estava comprando com o cartão de crédito da conta conjunta, no valor de R$1500,00. Com isto veio a afirmação do que HB e as outras pessoas já previam. A mochila realmente havia sido furtada e o meliante já estava em ação. A mãe de HB estava com a operadora do cartão de crédito ao telefone, prestes à bloquear o cartão, sabendo que esse tipo de compra não é feita por HB, pelo menos não sem comunicá-la.
HB dirigiu-se à sala da gerência onde se encontravam seus tios que acompanhavam a gravação da câmera, para contar-lhes o novo fato descoberto. Eles já tinham chegado ao ponto onde o fato ocorreu e viram juntos novamente o flagrante. Tudo se deu na seguinte sequência: Um senhor de idade, por volta de uns 65 anos, um pouco acima do peso e de boina, acompanhado de uma moça mais nova, mas adulta, entraram na churrascaria e disseram que estavam procurando alguns amigos e que não falavam português, arranhando o famoso "portuñol". Com certeza estavam apenas fazendo o reconhecimento do terreno, e vendo então a mochila de fácil acesso para eles, arquitetaram o plano. O senhor ficou de frente para a moça, numa distância de um metro e meio mais ou menos, e atrás da cadeira onde estava a mochila uns 50 cm. Com a orquestração da moça, o senhor de costas pra cadeira, conseguiu colocar seu casaco em cima da mochila e sair com os dois objetos, sem nem olhar para trás. Com o casaco envolto na mochila, abraçou a moça e saíram do estabelecimento.
Mesmo com toda a movimentação de garçons, hostess, pessoas na mesa e em outras, ninguém foi capaz de perceber. E o pior, tudo isso nas costas de HB e seu irmão, que estavam a no máximo dois metros de toda a ação. Em pouco tempo já estavam em outro bairro tentando fazer compras em um Empório, com o cartão furtado. Tentaram também aplicar o golpe em um supermercado, com o cartão, no valor de R$2000,00, mas já havia sido bloqueado.
Na mochila continha carteira de motorista, documento do veículo, um ear fone, os cartões de crédito e a agenda de HB, contendo até letras de músicas e poesias inéditas, onde o valor sentimental e artístico não poderá ser restituído.
Com quem fica a culpa de todo o ocorrido? Talvez nem o larápio saiba dizer, mas ele poderia pelo menos ficar famoso com algum canção inédita de HB!

4 comentários:

fernanda resende disse... Responder comentário

Meu Deeeeeeeeeus :´(

Fabiana. disse... Responder comentário

Oh heitor, que sintuação...
Parece que não vai acontecer com a gente, mas... é inevitável e constrangedor!

kellen disse... Responder comentário

Me promete uma coisinha, só uma ??
Não deixe mais sua mochila só, sempre arrume um lugar seguro prá ela ...
Estou muito triste com isso ...
muitooo mais pela agenda com as canções =-(

Gente mais sem sentimento.

Pati disse... Responder comentário

ai heitor!! que triste essa sua historia..!

se eu fosse vc.. eu vinha pra frança! além de ser mto mais seguro, nao existem churrascarias, carne vermelha custa carissimo e eu duvido que alguem te roubaria a mochila qndo vc estivesse comprando uma baguete na boulangerie da esquina.. hehehe

Fora o incidente.. tudo certinho por ai?!

Bisous bisous!!